METODOLOGIA DOS EXAMES

Tomografia Computadorizada para Implantodontia

Metodologia: É realizada uma tomografia em cone beam, com o objetivo de planejamento para implantes. Para a visualização ideal das imagens cortes axiais dos arcos selecionados para obtenção da vista panorâmica, cortes transversais oblíquos e coronais. São geradas, ainda, imagens 3D a critério ilustrativo, sem valor diagnóstico. Medidas de altura óssea e espessura óssea são feitas nos cortes transversais oblíquos, sendo realizadas da crista óssea alveolar até reparo anatômico que não possa ser aproveitado como ancoragem, tendo como referência de inclinação o eixo mais próximo do posicionamento natural do dente da região. Considerar no planejamento final das medidas dos implantes, possível perda óssea que pode ocorrer pós-exodontias.

Foram realizadas medidas anatômicas em tamanho real (1:1) na imagem. Lembramos que estas medidas, apesar de reais, podem variar de acordo com a inclinação em que são feitas e se constituem apenas como indicativo (pré-planejamento) e que deverão, portanto, ser revistas no planejamento final. As medidas podem ser feitas diretamente sobre os cortes transversais oblíquos, sem a necessidade de conversões matemáticas, uma vez que a escala é 1:1, não existindo fatores de magnificação significativos.

Indica-se avaliação e confirmação clínica dos dados presentes e relevantes no exame tomográfico para precisão de diagnóstico e conduta de tratamento, lembrando que todo exame tomográfico é auxiliar no diagnóstico final e que as imagens geradas são sugestivas.

zcsad_edited.png
zcsad_edited_edited.png

Espaço entre Cortes: Cortes T. Oblíquos | 1 mm 

Espessura dos Cortes: Cortes T. Oblíquos | 1 mm 

LEGENDA:

CM = canal mandibular

FM = forame mentoniano

AOP = alteração óssea periapical

Tomografia Computadorizada para Endodontia

Metodologia: Realizada a tomografia em cone-beam, com o objetivo de observar região sugerida em relatório clínico. Quando a tomografia é solicitada para estudo endodôntico, a aquisição das imagens é feita em FOV (campo de visão) menor de alta resolução. Paciente realizou exame com mento em apoio e cabeça alinhada com Plano de Frankfurt paralelo e plano sagital mediano perpendicular ao solo. Para a visualização ideal das imagens foram realizados cortes axiais, coronais e sagitais (ambos com 1 mm de espessura com incremento de 1 mm de distância entre os cortes) da região. A imagem 3D é apenas de caráter ilustrativo, não tendo valor diagnóstico, apesar de auxiliar na visualização da estrutura. As imagens foram manipuladas para ajustar contraste e densidade para janelamento da região estudada.

São identificadas através de cortes axiais, coronais e sagitais o número de raízes, número de condutos radiculares e comprimento dos mesmos. As imagens são manipuladas em 360 graus visando identificação de dilacerações radiculares, alterações ósseas periapicais e adjacentes às raízes, calcificações e atresia dos condutos radiculares, trincas e fraturas, como também relação das raízes com estruturas adjacentes.

Indica-se avaliação e confirmação clínica dos dados presentes e relevantes no exame tomográfico para precisão de diagnóstico e conduta de tratamento, lembrando que todo exame radiográfico é auxiliar no diagnóstico final e que as imagens geradas são sugestivas.

Protocolo de Medidas:

Foram realizadas medidas de distâncias em milímetros de todas as raízes, tendo como referência o ápice radicular ou forame apical radicular (quando visível) até a cúspide coronária correspondente, respeitando-se a curvatura radicular. No conduto radicular MV2, quando existente, as medidas são realizadas do ápice radicular ou forame apical radicular (quando visível) até o centro da coroa.

Tomografia Computadorizada para Periodontia

Metodologia: Realizada a tomografia em cone beam, com o objetivo de observar região sugerida em relatório clínico. Paciente realizou exame com mento em apoio e cabeça alinhada com Plano de Frankfurt paralelo e plano sagital mediano perpendicular ao solo. Para a visualização ideal das imagens foram realizados cortes axiais, coronais e sagitais (ambos com 1 mm de espessura com incremento de 1 mm de distância entre os cortes) da região. A imagem 3D é apenas de caráter ilustrativo, não tendo valor diagnóstico, apesar de auxiliar na visualização da estrutura. As imagens foram manipuladas para ajustar contraste e densidade para janelamento da região estudada.

Indica-se avaliação e confirmação clínica dos dados presentes e relevantes no exame tomográfico para precisão de diagnóstico e conduta de tratamento, lembrando que todo exame radiográfico é auxiliar no diagnóstico final e que as imagens geradas são sugestivas.

Protocolo de Medidas:

São realizadas medidas de distâncias em milímetros de margem gengival à junção cemento-esmalte (JAC), crista óssea à junção cemento-esmalte (JAC).

Tomografia Computadorizada para Ortodontia

Metodologia: Realizada a tomografia em cone beam, com o objetivo de observar região sugerida em relatório clínico. Paciente realizou exame com mento em apoio e cabeça alinhada com Plano de Frankfurt paralelo e plano sagital mediano perpendicular ao solo. Para a visualização ideal das imagens foram realizados cortes axiais, coronais e sagitais (ambos com 1 mm de espessura com incremento de 1 mm de distância entre os cortes) da região. A imagem 3D é apenas de caráter ilustrativo, não tendo valor diagnóstico, apesar de auxiliar na visualização da estrutura. As imagens foram manipuladas para ajustar contraste e densidade para janelamento da região estudada.

Radiografias

Radiografia Panorâmica:

 

É realizada radiografia panorâmica, com KVp e mAs adequados à densidade óssea do paciente, posicionamento ideal dos planos (principalmente Frankfurt e Oclusal) para a melhor observação das áreas anatômicas à serem estudadas.

São observados nas imagens geradas itens como anomalias de desenvolvimento dental e óssea, impactação de terceiro molar e sua relação com canal mandibular, posicionamento de dentes, estrutura coronal, presença ou não de lesões periapicais, problemas do tecido óssea de suporte, articulações temporomandibulares e quaisquer outra imagem que desvia da normalidade.

Indica-se avaliação e confirmação clínica dos dados presentes e relevantes no exame tomográfico para precisão de diagnóstico e conduta de tratamento, lembrando que todo exame radiográfico é auxiliar no diagnóstico final e que as imagens geradas são sugestivas.

Radiografias Periapicais:

 

São realizadas radiografias periapicais com tempo adequados à densidade óssea do paciente, posicionamento ideal dos planos (principalmente Frankfurt e Oclusal) para a melhor observação das áreas anatômicas à serem estudadas.

São observados nas imagens geradas, quando na região for observável,  itens como anomalias de desenvolvimento dental e óssea, impactação de terceiro molar e sua relação com canal mandibular, posicionamento de dentes, estrutura coronal, presença ou não de lesões periapicais, problemas do tecido óssea de suporte e quaisquer outra imagem que desvia da normalidade.

Indica-se avaliação e confirmação clínica dos dados presentes e relevantes no exame tomográfico para precisão de diagnóstico e conduta de tratamento, lembrando que todo exame radiográfico é auxiliar no diagnóstico final e que as imagens geradas são sugestivas.

Mão e Punho:

 

É realizada a radiografia de mão e punho, incidindo-se raios-x na mão esquerda, com KVp e mAs adequados à densidade óssea do paciente.

São observados na imagem gerada a presença ou não de ossos na região e a evolução de epífises e diáfises dos ossos visualizados no exame. Esses dados são comparados com a curva de crescimento puberal de referência conceituada para diagnosticar a etapa de crescimento do paciente.